Os desafios…

OS DESAFIOS…

Nós, Carmelitas Descalços buscamos na palavra dos místicos carmelitas, a fonte de esperança para a nossa experiência humana, cristã e carmelitana.
Atentos a chamada para perscrutar os sinais dos tempos que são sinais de Deus, se faz ao nível da percepção de uma chamada à espiritualidade e um renovado interesse pelos místicos no nosso mundo, que está pedindo uma espiritualidade dinâmica e profunda, e de dimensões místicas (experiência do transcendente), capazes de enfrentar a insegurança e as incertezas das nossas circunstâncias actuais.

1) Europa e o Mundo

Cada um de nós aqui presente deve reflectir sobre a realidade onde está inserido. Nós somos europeus e por isso a Europa não está só, cada vez mais condicionada pelo resto do mundo. Precisamente a responsabilidade diante do resto do mundo, está cada vez mais presente, é uma característica inegável na Europa e dos europeus. O olhar dirigido ao mundo inteiro pertence já sociologicamente á Europa, e é essencial na minha visão de carmelita.
A religião não deve “representar um problema a resolver, mas um factor que contribui de modo vital para o caminho histórico e (…) em particular para relembrar a importância essencial do fundamento ético”.

2) Dentro da cultura actual

Quando falamos dos desafios da sociedade aos carmelitas, pode-se pensar, que os desafios são realidades objectivas e externas a nós, e nós simples espectadores. Mas na verdade essas realidades são nossas. Ao constatar-mos essas realidades, caímos na conta do que somos nós próprios.

3) Desafios da cultura Europeia

A globalização com as suas ambiguidades, mobilidade humana e os seus fenómenos migratórios, o injusto sistema económico e as novas formas de solidariedade, a vida ameaçada e defendida, o pluralismo e a crescente diferenciação, mentalidades e atitudes pos-modernas, a sede de amor e a distorção do amor, a sede do sagrado e o materialismo secularista.

Junto com isto deveria que ter em conta também as tendências claramente positivas, ainda que nem sempre coerentemente realizadas: o sentido cada vez maior da dignidade humana, os seus direitos fundamentais, o papel da mulher na vida pública, o sentido da ecologia corresponsabilizada acerca da casa comum da humanidade, etc.

Na análise do que podem ser os desafios especiais da cultura europeia para nós Carmelitas Descalços podemos fixar-nos nos seguintes: “Secularismo agressivo que ameaça os valores fundamentais” que “não aprecia ou sequer tolera” os valores tradicionais; a Globalização que não dá importância a Deus nesta nova cultura que surge na Europa e no mundo globalizado e envereda por um “humanismo que exclui Deus, isto é, um humanismo desumano; o consumismo, o pluralismo cultural, sobretudo a respeito dos valores morais e religiosos.

A globalização implica o facto de uma crescente imigração com os seus aspectos sociais e culturais, a presença em países em vias de desenvolvimento na consciência da Europa desenvolvida.